Bolo Invertido de Diospiro


Ainda que salte à vista que já estamos no Outono, os dias quentes de Verão teimam em ficar. Querem pertencer a uma estação que não é a sua. Eu confesso que gosto destes dias. Gosto de estar em Outubro e ainda andar descalço pela casa, sentir o chão frio em contacto com os pés. De vestir roupas leves e dormir de janela aberta. Gosto de jantar na varanda enquanto o sol se põe. De saborear um refresco numa esplanada ao final da tarde.

Mas confesso que também já tenho saudades do tempo frio e da chuva. Dos domingos de preguiça que pedem sofá e uma mantinha. Do cheiro da terra molhada e de ouvir a chuva cair lá fora. Das noites frias que convidam a ligar o forno para fazer um bolo e assim saciar a gula. Do cheiro das castanhas assadas que perfumam as ruas. Não está a ser um Outono fácil e o mais certo é que quando menos esperarmos já o Inverno se instalou. Mas enquanto ele não chega vamos aproveitar o melhor que o Outono tem para oferecer.


Este ano os dióspiros abundam cá em casa. Amadureceram mais cedo que o previsto, talvez devido ao Verão prolongado que os torna ainda mais doces e carnudos. Eu adoro esta fruta e talvez por isso anseie sempre pela sua chegada. Por ser um fruto que amadurece tão rápido e tem uma duração tão curta, eu aproveito ao máximo. Do quintal da minha irmã (obrigado mana!!!) saem quilos de dióspiros. São duas árvores que este ano parecem estar ainda mais carregadas. Os ramos vergam com o peso da doçura destas bolas de cor alaranjada que fazem as minhas delícias. Muitos acabam por cair ao chão de maduros mas dos que consigo apanhar, a maioria são comidos ao natural, frescos e polvilhados com canela e nozes. Mas por serem tantos (acreditem, são mesmo muitos) tento encontrar alternativas para dar escoamento. Alguns acabam em batidos ou simplesmente em puré que junto aos iogurtes e como à colherada, ao pequeno almoço. Mas também em sobremesas, sobretudo tartes e bolos, este fruto é apreciado. E desta vez quis experimentar um bolo que apesar de ser simples tem tudo para satisfazer os paladares mais apurados. Perfumado pelas especiarias, este bolo que leva na sua massa a polpa dos dióspiros, apresenta uma textura fofa e húmida que se desfaz na boca. Um bolo que ficou aprovado, que convida a uma segunda fatia e que será para repetir mais vezes, sem dúvida. Pelo menos enquanto houver dióspiros.

(cake stand by Coco e Baunilha)

Bolo Invertido de Diospiro
(receita adaptada do blog Delicious Everyday)

Ingredientes:
| 4 dióspiros (2 de polpa mole e 2 de polpa firme)
| 2 c. (sopa) de Maple Syrup
| 60 g de nozes
| 250 g de farinha de espelta (ou outra a gosto)
| 2 c. (chá) de fermento em pó
| 1 1/2 (chá) de canela
| 1 c. (chá) de gengibre em pó
| 1 c. (chá) de noz moscada
| 190 g de manteiga
| 250 g de açúcar
| 1 c. (chá) de pasta de baunilha
| 3 ovos

Preparação:
1 . Pré-aqueça o forno a 180ºC. 
Unte com manteiga e forre com papel vegetal o fundo e as laterais de uma forma de aro amovível com 20 cm de diâmetro (nas laterais deixe o papel vegetal cerca de 2-3 cm acima do bordo da forma, pois o bolo irá crescer; se preferir pode usar uma forma mais larga, com cerca de 24-26 cm de diâmetro).

2 . Corte em fatias finas os dois dióspiros de polpa firme (ajuda se usar uma mandolina). Pincele todo o interior da forma com o Maple Syrup e disponha as fatias de dióspiro, do fundo e nas laterais.

3 . Retire a polpa dos dois dióspiros de polpa mole e triture até ficar em puré. Reserve.

4 . Numa frigideira em lume médio toste ligeiramente as nozes. Deixe que arrefeçam e depois triture-as num processador até ficarem em farinha (tenha atenção para não triturar demasiado e ficar em pasta).

5 . Numa taça misture a farinha com o fermento, a canela, o gengibre, a noz moscada e a farinha de noz.

6 . Bata a manteiga juntamente com o açúcar e a pasta de baunilha, cerca de 8-10 minutos, até obter um creme fofo e esbranquiçado. Junte os ovos, um de cada vez e bata mais um pouco após cada adição.

7 . Adicione à massa metade da farinha e metade do puré de dióspiros e misture com uma espátula, sem bater demasiado. Junte a restante mistura de farinha e o puré e envolva até todos os ingredientes estarem bem incorporados.

8 . Verta a massa na forma e leve ao forno cerca de 1 hora. Faça o teste do palito antes de retirar o bolo do forno.

9 . Retire o bolo do forno e deixe arrefecer dentro da forma cerca de 15 minutos. Desenforme e deixe arrefecer completamente sobre uma grelha (opcionalmente e com o bolo ainda morno, pincele com Maple Syrup ou xarope de Agáve).

Pão de Espelta e Batata Doce com Sementes


Quase sem nos apercebermos o Outono foi-se instalando, de mansinho. Como quem calça umas pantufas e ainda assim caminha em bicos de pés para não fazer qualquer ruído. Um Outono que vem disfarçado de Verão, com dias de muito sol e temperaturas altas que ainda nos permitem usar as roupas leves e que ainda convidam a uma ida à praia. Mas não deixa de ser evidente que o Verão já lá vai, os dias são agora bem mais pequenos, as noites já começam a ser frias e por todo o lado as árvores que dantes se vestiam de verde vivo, despem-se agora das suas folhas em tons dourado e castanho. 

Confesso que não sou pessoa de Outono, não é a minha estação do ano preferida, mas cada vez mais ele vai conquistando espaço no meu coração. Gosto desta transição lenta entre estações, das manhãs que já pedem um casaquinho e das tardes que ainda convidam a tomar uma bebida fresca numa esplanada. Gosto destes dias quentes de Outono com sabor a Verão. Gosto de tudo o que o Outono tem para oferecer, dos novos legumes e da variedade de frutas. Aguardo sempre com grande expectativa a chegada dos dióspiros e das romãs. E até as castanhas já se fazem anunciar. 


O Outono traz com ele as noites agora mais frias. E com elas surge a vontade de ligar o forno, começam a apetecer refeições mais quentes e reconfortantes, a chamada comida de conforto. E se bem que por aqui nunca são precisas desculpas para ligar o forno, a verdade é que nesta altura do ano essa vontade aumenta. Com a chegada das maçãs, das peras e das abóboras, nada melhor que um bolinho preparado com estas frutas e perfumado com algumas especiarias, para alegrar os nossos dias. Ou então um pão acabado de fazer!

Adoro preparar pão em casa. Para além de saber de antemão que estou a comer algo mais genuíno e saudável, todo o processo de fazer um pão me deixa em êxtase. A mistura tão simples de poucos ingredientes que irá resultar num alimento único e rico, quase como um acto de magia. Para mim funciona como uma terapia e, acreditem, fazer pão em casa faz-me imensamente feliz. 

Desde que experimentei este pão numa panela de ferro, fiquei convencidíssimo que este é um processo infalível na arte de fazer pão. Por isso, desta vez apresento um delicioso pão de espelta que levei ao forno na minha nova caçarola da Staub que podem adquirir online, aqui. Por se tratar de um utensílio fabricado em ferro fundido de alta qualidade, isso permite que o ar e a temperatura sejam distribuídos de maneira uniforme, mantendo a humidade perfeita, o que resulta num pão com um miolo fofo e com uma crosta bem estaladiça. Faz lembrar os pães de antigamente, cozidos em forno de lenha, mas aqui com um toque moderno e um sabor inigualável.


Pão de Espelta e Batata Doce com Sementes

Ingredientes:
| 800 g de farinha de espelta branca
| 600 ml de água tépida
| 300 g de batata doce cozida
| 2 c. (chá) de sal fino
| 1 saqueta de fermento seco (11 g)
| 3 c. (sopa) de sementes de girassol
| 3 c. (sopa) de sementes de abóbora
| 2 c. (sopa) de sementes de linhaça
| 2 c. (sopa) de sementes de chia
| 1 c. (sopa) de sementes de sésamo preto
| 1 c. (sopa) de sésamo branco
| 1 c. (sopa) de sementes de papoila

Notas:
1 . Os 300 g de batata doce são obtidos depois de a batata ter cozido e estar escorrida. Para cozer a batata, retire a pele e corte em pedaços. Leve a cozer em água fervente durante 10-15 minutos.

2 . As quantidades de ingredientes, assim como os tempos de levedação do pão deverão ser respeitados. Só desta forma irá obter um pão com um miolo macio e uma crosta bem estaladiça.

3 . Podem ser usadas as farinhas que mais gostarem e até podem misturar várias farinhas, desde que sejam respeitadas as quantidades totais.

4 . Para esta receita usei uma caçarola com 28 cm de diâmetro, pelo que rendeu um pão bem grande. Sintam-se à vontade para reduzir as quantidades de ingredientes para metade, nas mesmas proporções, e  assim fazerem um pão mais pequeno. Ou, se preferirem, usem as quantidades da receita e na altura de moldar o pão dividam a receita ao meio, fazendo dois pães.

Preparação:
1 . Numa taça larga misture a farinha e a água, usando um garfo ou uma colher de pau. Tape a taça com um pano e deixe a massa repousar cerca de 30 minutos.

2 . Adicione a batata doce, previamente esmagada com um garfo, o sal, o fermento e todas as sementes.

. Coloque a mistura na taça de um robot de cozinha e amasse usando o gancho de amassar a uma velocidade média-baixa, durante 20 minutos (se optar por amassar à mão, deverá fazê-lo durante pelo menos 10 minutos, amassando, esticando e dobrando a massa sobre ela própria várias vezes; deixe a massa repousar alguns minutos e volte novamente a amassar, esticar e dobrar durante mais 10 minutos).  A massa irá estar mole, pegajosa e húmida, mas suave e elástica. Não se preocupe, é normal e não caia na tentação de adicionar mais farinha.

4 . Tape a taça com um pano e deixe levedar à temperatura ambiente, num local seco, durante pelo menos 3 horas ou até a massa triplicar de volume.

5 . Após a massa ter levedado, tape a taça com película aderente e leve a refrigerar durante pelo menos 12 horas (a massa irá baixar de volume, não há motivo para preocupação).

6 . Transfira a massa para uma superfície enfarinhada, polvilhe com farinha e forme pequenas bolas, pesando porções de massa iguais (no meu caso deu para fazer 8 bolas de 200 g cada; se fizer apenas metade da receita, pese bolas de 100 g; em alternativa pode formar uma única bola, usando toda a massa).

7 . Disponha as bolas de massa dentro de um tacho ou caçarola de ferro (eu usei esta da Staub) previamente polvilhada com farinha e deixe levedar durante 1 hora.

8 . Pré-aqueça o forno a 220ºC.

9 . Coloque a tampa na caçarola e leve ao forno durante 30 minutos. Terminado o tempo, retire a tampa e deixe o pão no forno por mais 15 minutos, até que seja formada uma crosta dourada.

10 . Retire o pão do forno e deixe arrefecer sobre uma grelha.

3 Petiscos Para Saborear Antes que o Verão Acabe Moelinhas, Sopa Fria de Meloa e Salada de Polvo


Estou de regresso, após uns dias de merecido descanso. Estes últimos dias foram mesmo muito felizes e confesso que me estavam a fazer imensa falta. Soube bem abrandar, desligar da rotina diária, desconectar-me do mundo e colecionar alguns momentos de felicidade, sem horários, sem qualquer obrigação e em lugares onde sou sempre tão bem recebido e me deixam de coração cheio. Temperaturas do ar a rondar os 30ºC e a água salgada do mar com 22ºC, foram tantos os mergulhos e os passeios pelos areais das extensas praias, agora mais calmas e vazias e com os fins de tarde mais lindos que Setembro tem para oferecer. Pelo Instagram fui publicando algumas imagens e vídeos, quer dos lugares por onde andei, os sítios que visitei, ou a deliciosa comida que saboreei, os inconfundíveis sabores do sul que nunca me desiludem e sempre me satisfazem. Regresso agora a casa, de baterias carregadas, cheio de inspiração e com vontade de partilhar novas ideias e receitas.

Um Verão que começou um pouco atribulado mas que ainda está a ser gozado em pleno. As noites e manhãs já estão mais frias, é um facto, e já paira no ar aquele cheirinho a Outono. Começa a ser evidente a mudança de estação que com ela traz novos hábitos e o regresso à rotina. Mas trata-se de uma rotina feliz. O regresso à minha cozinha, agora em tons de azul e branco, o facto de poder ligar o forno, uma e outra vez, para experimentar aquele prato que nos deixa de sorriso rasgado ou para fazer aquele bolo delicioso que já foi repetido vezes sem conta. Não, o Verão ainda não acabou. Pela frente ainda temos muitos dias de sol e temperaturas amenas que nos permitem desfrutar de uma refeição ao ar livre. Partilhar momentos com os amigos e a família e criar memórias e valores à volta de uma mesa. E nada melhor que uns petiscos para prolongar o Verão, mesmo que já seja Outono.


A pensar nestes dias de Verão que ainda estão para durar, venho partilhar três deliciosas receitas de petiscos. Receitas que já fiz tantas e tantas vezes e que são sempre apreciadas. Receitas que acompanham refeições demoradas e felizes, que são cúmplices de gargalhadas e conversas sem fim. Receitas que têm mesmo de saborear e partilhar, antes que o Verão acabe. Juntamente com estas receitas desenvolvi mais um artigo mensal, em colaboração com o site Alegro, que podem ler mais abaixo ou, se preferirem, podem ler na íntegra, aqui.


(artigo mensal escrito em colaboração com o site Alegro)

3 Petiscos Para Saborear Antes que o Verão Acabe!

Portugal é um país de petiscos. Não deverá haver no mundo um povo que goste tanto de petiscar como nós, portugueses. De norte a sul do país não faltam sugestões no cardápio da nossa gastronomia. Quem nunca se deleitou a ensopar uma fatia de pão num delicioso molho de um petisco?!

Petiscar apela ao convívio e à partilha e juntar amigos e família à volta de uma mesa cheia de bons petisco é algo que deixa qualquer pessoa feliz. Os dias quentes de Verão convidam a isso mesmo. Esta é a estação mais que perfeita para tornar uma refeição de petiscos ainda mais aprazível e de preferência com umas bebidas frescas a acompanhar.

Dos mais tradicionais aos mais contemporâneos, somos peritos em criar e reinventar pratos de petiscos. Desde os simples tremoços que acompanham uma cerveja gelada, os caracóis, os pastéis de bacalhau, passando pelas suculentas amêijoas à Bulhão Pato, os percebes, os ovos com farinheira, o pica-pau, sem esquecer os peixinhos da horta e, claro, os nossos típicos queijos e enchidos, é impossível resistir e ficar indiferente a tanto petiscos fazer crescer água na boca. A ideia é ir picando e saboreando enquanto colocamos a conversa em dia e partilhamos algumas gargalhadas.

Vamos Petiscar?! Prepare estes 3 Petiscos!

Não são necessários grandes motivos para reunir pessoas em volta de uma mesa, criando memórias e momentos felizes enquanto saboreamos um belo petisco (...)

(leiam o artigo completo aqui)


Sopa Fria de Meloa com Presunto

Ingredientes:
| 500 g de meloa, descascada e s/ sementes
| 100 ml de iogurte natural
| 300 ml de água
| 6 folhas de hortelã
| sal e pimenta 
| fatias de presunto
| hortelã para servir

Preparação:
1 . Coloque a meloa em pedaços num liquidificador, junte o iogurte e a água. Triture até obter a consistência desejada.
2 . Junte as folhas de hortelã, tempere a gosto com sal e pimenta e volte a triturar.
3 . Sirva bem fresco em copos pequenos com uma fatia de presunto e folhas de hortelã.


Moelinhas

Ingredientes:
| 1Kg de moelas limpas          
| 50 ml de azeite
| 1 cebola picada
| 2 dentes de alho picados
| 2 folhas de louro
| 1 c. (chá) de paprika
| 1 ramo de coentros
| sal e pimenta
| 200 ml de polpa de tomate
| 1 cerveja (330ml)
| 2 c. (sopa) de pickles picados

Preparação:
1 . Leve um tacho ao lume com o azeite, a cebola, o alho e refogue até a cebola alourar.
2 . Junte as moelas cortadas em metades ou quartos, as folhas de louro, a Paprika, os coentros, tempere com sal e pimenta e mexa um pouco.
3 . Adicione a polpa de tomate e a cerveja. Quando começar a ferver, tape o tacho e deixe cozinhar em lume médio durante 1 hora, mexendo de vez em quando.
4 . Se necessário rectifique os temperos e a cozedura das moelas. Sirva com picolés picados.


Saladinha de Polvo

Ingredientes:
| 600 g de polvo cozido
| 2 chalotas
| 1 dente de alho
| 1/2 pimento vermelho
| 1 tomate pequeno
| 1 raminho de salsa
| 2 c. (sopa) de pickles
| azeite
| vinagre
| sal e pimenta

Preparação:
1 . Corte o polvo em pedaços pequenos, coloque numa taça e reserve.
2 . Descasque as chalotas e o dente de alho e pique finamente.
3 . Retire as sementes do pimento e to tomate e corte.os em cubinhos.
4 . Pique a salsa e os pickles e junte todos os ingredientes ao polvo.
5 . Regue a salada com azeite e um pouco de vinagre. Tempere com sal e pimenta a gosto e envolva bem todos os ingredientes. Sirva a salada bem fresca.

GuardarGuardarGuardar

Pão de Banana, Aveia e Framboesa


Agosto está praticamente a chegar ao fim e muito sinceramente não vai deixar saudades. Este não foi um Agosto feliz. Gosto de saborear o Verão devagar, de aproveitar pausadamente todos os momentos, de coleccionar memórias felizes. Mas os últimos dias foram tudo menos isso. Daí a minha ausência, quer do blog quer das redes sociais. Existe toda uma vida real que se sobrepõe ao blog, existem acontecimentos que nos afectam e ocupam a cabeça, varrendo qualquer inspiração ou a vontade de andar enfiado entre tachos, fogões e panelas.

O mês começou com obras cá em casa. Durante praticamente duas semanas o caos instalou-se entre pinturas, desarrumações, objectos espalhados pela casa e pó, muito pó. Entre o trabalho e a azáfama das obras recebo um telefonema da minha irmã a informar que o meu pai tinha caído e acabava de ser internado. O diagnóstico era grave, uma fractura na bacia e uma perna partida que exigiam uma operação urgente. Cheguei mesmo a temer o pior, pois não obstante o facto de ele já ter 74 anos de idade, ainda padece de artrite reumatóide crónica, uma doença que o está a afectar fisicamente e que cada vez o deixa com mais limitações, dependendo de terceiros para desempenhar algumas tarefas. Os dias seguintes foram passados entre telefonemas, algumas viagens à Figueira da Foz, onde ele ainda se encontra internado e muitas preocupações. Entre exames, alguns casos mais urgentes que passaram à frente dele e desculpas com falta de médicos, ele esteve sete dias em sofrimento, à espera de ser operado. Sei que ele se faz mais forte do que é na realidade e sei que não gosta de partilhar a sua dor. Mas ela esteve lá a atormentar-lo e sei que para ele é um inferno estar hospitalizado e longe das suas coisas.


Felizmente a operação correu bem. Neste momento está a recuperar e segundo os médicos e evolução está a ser favorável. Sei que não se avizinham meses fáceis para ele e a recuperação vai ser muito lenta e difícil. Mas também sei que ele tem muita força de vontade e vai querer voltar à sua vida normal o mais rapidamente possível. Quem o conhece sabe que não é pessoa de ficar parado, algo que abona a seu favor. Em breve ele vai ter alta e vai voltar para casa mas agora o meu receio prende-se com o facto de ele vir a ficar preguiçoso, passando muitas horas na cama. Com a doença que ele tem, o problema poderá agravar-se e ele poderá acabar por ficar acamado, necessitando de cuidados especiais. Agora só o tempo dirá, mas eu quero acreditar que ele vai recuperar bem.

Com todas estas preocupações, de repente olho para o calendário e vejo que o Verão está a passar rápido de mais. No meio de tudo isto ainda tive tempo para dar um pulo a Porto Covo, abraçar os meus sobrinhos que vieram de férias. Ainda tive tempo para matar saudades dos manos e dos sobrinhos, mas mais tempo houvesse. E ainda tive tempo para receber os amigos em casa, algo que me faz sempre feliz. Gostaria de ter vivido mais momentos destes, de partilha, de troca de afectos, de ter aproveitado mais o Verão, mas a vida é mesmo assim.


Agora é chegado o momento de fazer as malas e ir de férias. Deixar para trás o peso destes dias menos bons e rumar ao meu querido sul que sempre me recebe tão bem. Finalmente Setembro está a chegar e eu esperei tanto por estes dias. Anseio por desligar-me da rotina diária, esquecer todas as obrigações e finalmente viver o meu Verão, sem horários, sem pressas, sem objectivos. Aproveitar apenas todos os momentos, colecionar memórias boas e voltar aos sítios que me fazem sempre feliz. Não vou sem antes partilhar com vocês mais uma receita que me conquistou e que voltarei a repetir vezes sem conta. Estou cada vez mais fã destes pães doces com banana que tanto podem ser apreciados e degustados ao pequeno almoço ou ao lanche. A textura que a banana confere à massa é maravilhosa, resultando sempre num pão ou bolo fofo e macio. A receita tem ainda a vantagem de poderem substituir as farinhas por outras do vosso gosto, sejam elas integrais ou não. E em vez de framboesas que tal usarem as amoras que estão agora no seu auge de sabor?! Sejam felizes, cuidem de quem mais gostam e quanto a mim, estarei pelo Instagram com algumas partilhas e a promessa de voltar em breve. Até já!


Pão de Banana, Aveia e Framboesa
(receita adaptada da Chef Lorraine Pascale)

Ingredientes:
| 50 g de manteiga
| 50 g de açúcar amarelo
| 2 ovos, tamanho M
| 100 g de farinha de trigo integral
| 125 g de farinha de trigo s/ fermento
| 2 c. (chá) de fermento em pó
| 2 bananas maduras
| 125 g de framboesas
| flocos de aveia

Preparação:
1 . Pré-aqueça o forno a 180ºC e forre com papel vegetal uma forma rectangular com cerca de 22cm X 10cm.

2 . Numa taça larga bata a manteiga juntamente com o açúcar. Adicione os ovos, um de cada vez, batendo bem entre cada adição. 

3 . Junte as farinhas e o fermento e envolva sem bater demasiado. Com um garfo esmague as bananas e adicione ao preparado anterior, envolvendo com uma espátula.

4 . Por fim junte as framboesas e envolva delicadamente, por forma a que não se esmaguem.

5 . Verta a massa para a forma, alise a superfície com uma espátula e polvilhe generosamente com flocos de aveia.

6 . Leve ao forno pré-aquecido durante 50-55 minutos. Faça o teste do palito antes de retirar o pão do forno (deixe o pão arrefecer dentro da forma durante alguns minutos antes de desenformar e só depois desenforme e deixe arrefecer sobre uma grelha).